Não sabe o que fazer com o computador quebrado?

Não jogue no lixo. Além de perigoso ao meio ambiente, é um desperdício de dinheiro. Veja o que fazer.

lixo eletronicoEquipamentos eletrônicos como computadores, impressoras, carregadores de celular, pilhas e baterias têm, em sua composição, dezenas de substâncias que podem contaminar as outras pessoas, os animais e o meio ambiente, como metais pesados (chumbo, cádmio, mercúrio) e outros elementos tóxicos. Por isso, o descarte deve ser feito de maneira adequada e nunca no lixo comum.

Segundo dados do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), o Brasil descarta 96,8 mil toneladas de computadores por ano. É risco para o meio ambiente e desperdício de dinheiro. De acordo com o documento do PNUMA, os aparelhos eletrônicos possuem placas com circuitos eletrônicos que podem chegar a utilizar mais de 60 tipos de elementos químicos que podem contaminar o meio ambiente. Por outro lado, uma tonelada de telefone celular sem bateria contém 3,5 quilos de prata, 340 gramas de ouro, 140 gramas de paládio e 130 quilos de cobre.

Segundo o relatório, em 2007, mais de 1 bilhão de celulares foram vendidos em todo o mundo, um aumento de 896 milhões em comparação a 2006. Especialistas no setor apontam que em 1 tonelada de PCs existe mais ouro do que 17 toneladas de minério bruto do metal. Por isso, é fundamental que a sociedade se mobilize para encontrar alternativas para lidar com essa realidade.

Uma boa alternativa é encaminhar o lixo eletrônico ao CEDIR, Centro de Descarte e Reuso de Resíduos de Informática da USP, um projeto pioneiro no setor público iniciado em dezembro de 2009 e que se tornou uma referência nacional no tratamento adequado de resíduos eletrônicos. Ele fica na Cidade Universitária, em São Paulo e recebe CPUs, monitores, teclados, mouses, estabilizadores, no-breaks, impressoras, telefones, celulares, fios e cabos, CDs, DVDs e pequenos objetos como câmeras fotográficas, pilhas, baterias e cartuchos descartados pela comunidade uspiana e também de pessoas físicas.

Os equipamentos que ainda têm condições de serem reaproveitados passam por uma reforma e são encaminhados para projetos sociais cadastrados sob a forma de empréstimo, ou seja, serão devolvidos ao CEDIR no fim de sua vida útil. Os equipamentos que não podem ser reaproveitados são desmontados, e as peças ou são separadas e encaminhadas para recicladores, ou são utilizadas como reposição para outras máquinas. Para encaminhar um material para descarte é necessário abrir chamado técnico no Help Desk do Centro de Computação Eletrônica (Telefones: 11/3091-6454; 3091-6455 ou 3091-6456) . Mais informações pelo site: http://www.cce.usp.br.

Depois do CEDIR já surgiram várias outras iniciativas semelhantes. A ONG  Lixo Eletrônico também dá aos usuários uma lista de locais onde pode ser feita a doação de artigos para a reciclagem dos resíduos eletrônicos.

 

Fonte: Agência USP e Tecmundo