Cresce o número de pacientes acima de 60 anos procurando por cirurgia plástica.

00

Hoje em dia todo mundo procura uma válvula de escape para sair da vida cotidiana. Conforme a expectativa de vida aumenta, os cuidados com a saúde e bem-estar crescem também. Alimentação e prática de exercícios físicos contribuem para a saúde do corpo e da mente. Mas, por mais que você esteja 100% fitness aos olhos dos outros, você sempre acha que precisa mudar alguma coisinha, melhorar ali, subir outras aqui, não é?

O que mais incomoda, é o inevitável: o tempo. Não apenas pelas ruguinhas no rosto, flacidez nas pálpebras, que, querendo ou não, acabam atrapalhando a vista. Para isso a cirurgia plástica, vem conquistando senhores e senhoras com mais de 60 anos que procuram alinhar algumas coisas que os incomodam.

01

O otorrinolaringologista e cirurgião, Mário Ferraz, afirma que: “Pacientes acima dos 65 anos de idade, não sofrem mais risco por causa da idade, quando comparados aos pacientes mais jovens”. O que ele quer dizer com isso é que, devemos ter em mente que esses pacientes estão mais propensos a terem doenças cardíacas, hormonais e aí sim, existe o risco cirúrgico. Em outras palavras, o fator necessário para realizar uma cirurgia será seu estado de saúde atual, não os números do RG. 😉

Existem vários exames que definem o momento ideal para fazer o procedimento. Logo depois de decidir, o paciente deverá passar por uma série de exames específicos para a cirurgia, em alguns casos são exigidos testes ergométricos e monitoramento com Holter (Monitor portátil que registra a atividade elétrica do coração durante 24h do seu dia, ou mais), até exames com endocrinologista caso a pessoa apresente diabetes. Mas esses exames são guiados pela necessidade individual de cada paciente.

02

Existe uma vantagem enorme na cirurgia plástica em relação as demais cirurgias, ela pode ser feita em qualquer fase da sua vida, sem necessidade de urgência, única coisa que pode adiar o planejamento da cirurgia, é alguma divergência nos exames pré-operatórios. Devemos lembrar sempre que a segurança do paciente está acima de tudo. “Havendo risco à saúde ou a vida, o procedimento não será realizado”, afirma o cirurgião Mario Ferraz.

As informações são do liberal.com.br

Notícias mais lidas

Leia Também