Caminhar regenera o cérebro, alivia a tristeza e o estresse

Um dos melhores remédios para quem está sentindo-se triste, ansioso e muito preocupado, é caminhar.

Não há nada melhor do que fazer um passeio agradável para recarregar as energias, pois é bom afastar-se da origem do problema e ficar em um ambiente mais calmo.

A caminhada em um ritmo sustentado, promove a liberação de endorfinas, hormônios que nos fazem sentir felizes e relaxados, reduzindo a produção de cortisol, o hormônio do estresse.

Caminhar faz muito bem

Fonte: Freepick

Os neurocientistas da Universidade de Princeton, acreditam que os efeitos de uma caminhada saudável, além da produção momentânea de alguns neurotransmissores, ajuda a regular e regenerar o cérebro para nos ajudar a lidar melhor, com os problemas cotidianos.

Os especialistas acreditam que quando caminhamos, o cérebro ativa os “neurônios calmantes”, que inibem o nível de excitação dos neurônios que são a base das preocupações, das lucubrações e do estresse.

Isso indica que a atividade física ajuda a reorganizar o cérebro, tornando menos provável que as pessoas que andam e pratiquem atividade física regularmente, sofram com altos níveis de ansiedade e o estresse interferirá menos durante suas vidas diárias.

Neurocientistas da Universidade Heriot-Watt, monitoraram a atividade cerebral de 12 pessoas enquanto caminhavam por 25 minutos em um shopping center, em um espaço verde e em uma rua movimentada.

O eletroencefalograma móvel, monitorava emoções e estados como frustração, meditação, entusiasmo e atenção.

Então, descobriram que o relaxamento e a meditação eram mais intensos, quando as pessoas caminhavam pelos espaços verdes. Essas pessoas também se sentiam menos frustradas.

Isso ocorre porque em espaços verdes, nosso cérebro pode ser completamente desconectado e ativa o que é chamado de “atenção involuntária”, que tem a capacidade de se mover livremente em um estado bastante semelhante à meditação da atenção plena.

Já nas ruas e centros comerciais, precisamos ficar mais atentos, por isso não temos a oportunidade de nos desligarmos completamente das nossas preocupações e de não permitir que o nosso cérebro descanse.

Fonte: Vida Lúcida

Notícias mais lidas

Leia Também