Por que muitas vezes quando dormimos demais ficamos ainda mais cansados?

Não deveria ser ao contrário? Entenda por que isso acontece depois que dormimos e como isso pode prejudicar nossa saúde.

despertador

Foto: Creative Commons / Flickr – Stepan Vrany

Provavelmente já aconteceu com você: o fim de semana chega, você está cansado e aproveita para dormir e acordar no dia seguinte no horário que desejar, desligando o despertador e acabar dormindo por horas. Acontece que no dia seguinte você ainda está cansado, talvez até com uma dor de cabeça, mesmo depois de ter dormido por tantas horas. Por que será que isso acontece? A gente não deveria acordar bem mais disposto depois que dormimos muito?

Bom, se formos seguir a lógica, se dormir pouco é o problema, por que dormir muito seria a solução? Dormir por muito tempo acaba sendo semelhante a uma ressaca, a qual os cientistas chamaram de “embriaguez do sono”. Mas, diferente dos efeitos causados pelo álcool, quando você dorme muito pensando que estará descansado você acaba se sentindo fraco e confundindo a parte do seu cérebro que controla o ciclo diário do seu corpo.

Isso deve-se a um grupo de células no cérebro que são as responsáveis por controlar a fome, a sede, o suor e os ritmos do nosso corpo, além de sinais de luz a partir dos olhos que detectam quando é de manhã, enviando mensagens químicas que mantém as demais células do seu corpo em sincronia com seu relógio biológico. Isso acontece de maneira desorganizada quando você dorme por muitas horas, induzindo a uma sensação de fadiga. Ou seja, você pode acordar às 11 da manhã depois de longas horas de sono, mas suas células já estão trabalhando desde às 7 horas, o que pode causar o cansaço.

dormindo

Foto: Creative Commons / Flickr – Parker Knight

Então lembre-se, cuidar do seu relógio biológico é muito importante! Por isso, quando seu sono está desregulado, você pode estar aumentando as chances de desenvolver males como diabetes, doenças cardíacas e também obesidade. O estudo Nurses Health Study da Universidade de Harvard constatou que pessoas que dormem de 9 a 11 horas por noite também são mais propensas a desenvolverem problemas de memória do que as pessoas que dormem as oito horas indicadas.

Como tudo na vida, nada de exageros! Depois das oito horas dormidas, que tal usar o tempo livre para outras atividades que também beneficiam nossa saúde, como uma boa caminhada matinal? 😉

Adaptado: Wired

 

O dia mais importante? Hoje.